Em tempos onde o sexo ficou fácil, se envolver e levar as pessoas a sério virou caretice.

Onde as pessoas “ficam sério” para não assumirem compromissos.

Onde a beleza externa e o status pesam mais que o caráter.

É um tal de segue o baile, que no final já nem se sabe mais que ritmo esta dançando.

O mundo ficou cheio de pessoas rasas e cheias de medos.

E em tempos de amores rasos, quem escolhe mergulhar, corre o risco de sair ferido. 

Mas o que seria da vida sem riscos?

Correr riscos é um privilégio dos corajosos, pois os covardes são incapazes de enfrentar o medo e mergulhar.

“O medo tem alguma utilidade, mas a covardia não” Gandhi